Naruto - Boruto RPG

Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

[FS 2] Hitsugaya - A Família Hyuuga II

Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1[FS 2] Hitsugaya - A Família Hyuuga II Empty [FS 2] Hitsugaya - A Família Hyuuga II em Qui Set 26, 2019 12:56 am

Um

Um
Staff
Staff
Nome: A família Hyuuga II
Local: Passado, Konoha
Detalhes: Mais da relação complicada entre Hitsugaya e os Hyuuga

2[FS 2] Hitsugaya - A Família Hyuuga II Empty Re: [FS 2] Hitsugaya - A Família Hyuuga II em Sex Set 27, 2019 5:18 am

Ruller

Ruller
Filler Simples I
A Família Hyuuga II

Continuação de A Família Hyuuga I...

Ainda nervoso com a situação do almoço, me peguei andando aleatoriamente pelo complexo Hyuuga. Quando me dei conta, estava perdido, as ruas estavam diferentes, a grama mal cuidada, as casas eram antigas e de aparência suja.
-- Onde que eu to hein? -- Falei em voz alta como sempre coçando a cabeça. Meus pensamentos e minha boca eram sincronizados, era difícil pensar sem verbalizar.

-- Então o almoço foi um fracasso? -- Alguém ria
-- Aquele mestiço nem deveria estar aqui! -- enraivecia

Ouvi pessoas falando, olhando em volta, percebi que eram dois Hyuugas secundários, marcados em suas testas com o selo amaldiçoado que ja havia causado tanta confusão. Por que eles insistiam em manter aquilo como regra do Clã? Mas sinceramente, naquele momento aquilo Manole importava muito. Estava chateado com a situação, com ser a chacota de todos.

-- Ele me da nojo! Somos mais Hyuugas que ele! --
- Bem feito, os anciãos estão pagando o preço, se um de nós tivesse feito o que a filha dele fez, se casando com um Uchiha, ja estaríamos todos mortos! --
-- Ei -- cutucavam um ao outro

Os Hyuugas percebiam minha presença e com um olhar de julgamento e raiva me encaravam. Eu era facilmente percebido pelos Hyuuga, afinal a característica mais marcante deles, seus olhos brancos, eu nunca possuí e acho que nunca vou.

-- Bobocas! -- Gritei bravo. Passando correndo entre eles, trombando em seus corpos.

-- Que grosseria --
-- Vamos ensinar uma lição para ele --
-- O que? Não podemos, se nos pegarem vamos... --
-- Quieto, ninguém vai descobrir, e mesmo que descubram, nem os da principal ligam muito para ele --

Ainda perdido me deparei com uma situação complicada, o complexo Hyuuga era muito maior do que eu imaginava, eu ja estava nos limites dos altos muros brancos que o cercavam. Era um lugar isolado e vendo aquilo me abaixei olhando o chão. A sensação de prisão que tinha aqui era grande, muito parecida com a que tinha em casa, mas diferente da prisão mental que me aguardava em casa, aqui era uma prisão física. Os muros altos pareciam intransponíveis, ou melhor, no meu estado de espírito atual pareciam. Se fosse em qualquer outro dia, em qualquer outro lugar, eu talvez só pensasse no que existiria atrás desses altos muros.

-- por que todo mundo me trata assim? Eu nunca quis ser Hyuuga, a culpa não é minha! -- Eu estava chateado, meu olhos estavam cheios d'água, algumas lagrimas rolavam de meus olhos. Era estranho, dificilmente eu chorava. As lagrimas escorriam pelas bochechas quentes e pingavam nas ruas de cimento. Por causa do dia quente, não demorava para elas sumissem evaporando. Meus pés descalços ja estavam ardendo um pouco, mas mediante a tristeza em meu corpo, a dor física não era nada.

-- Ei moleque! --
Ouvi um chamando, e estava próximo. Instintivamente olhei virando a cabeça, eram dois Hyugas, seus olhos explodiam em rancor. Mas era claro, pelo menos para mim, que o ódio deles não era necessariamente voltado a mim, era como se eles vissem, sem me ver, eles viam a família principal, seus erros, sua hipocrisia. Um deles em especial parecia mais entusiasmado, esboçada um sorriso malicioso...

Fiquei quieto, o nervosismo ja havia passado. Eu estava agora preenchido por tristeza e descontentamento que no fundo nem mesmo se originaram naquele almoço, era algo mais profundo, mais antigo. Imagino eu, que talvez aquilo foi apenas a gota d'água de tudo ou simplesmente eu fosse sensível de mais. Também podia ser.

-- Ei, não me ignore! --
-- Me deixe em paz! -- Gritei me levantando -- Não tem nada mais pra fazer não?! -- Assim que terminei de gritar, percebi o erro cometido. Aqueles Hyuugas não estavam com vós intenções desde o começo, isso era óbvio, mas talvez pelo sangue fervente em meu corpo, na hora aquilo pouco me importou. Mas, para eles aquilo importava.

Um deles em especial, levou aquilo bem a sério, o que ele via ali era um principal mandando um secundário atrás de serviço. O sangue dele subiu, era nítido em seu rosto que rapidamente ficava vermelho.
-- Ou, calma não vai matar o menino --

O companheiro, assim como eu percebeu o que estava acontecendo. Mas o Hyuuga furioso, ignorando seu amigo. Antes que eu pudesse reagir, ele ja estava perto de mais. Dizem que a raiva aumenta o poder das pessoas, pessoas furiosas ou desesperadas conseguem com muito mais força quando esse sentimento chega ao pico. Assim como eu antes, quando minhas lagrimas cairam, essa era a gota d'água para aquele Hyuuga. Ele não sentia ódio específico por mim, mas por alguma razão me escolheu como seu saco de pancadas, me escolheu para soltar a angústia que provavelmente estava acumulando por anos.

Com a palma aberta, ele me atingiu. Senti minha bochecha doer, aquilo deixaria um hematoma. Senti meu corpo sair da segurança do piso de cimento mal acabado e ser lançado pra o alto. Senti, os rodopios que dei no ar, como se estivesse em câmera lenta. O baque do meu corpo no chão de cimento foi duro. O chão mal construído e mal mantido, mal cuidado resultou em um esfarelamento do cimento, em minha pele, varias pedrinhas grudavam. A dor, era grande, mas não era a maior que ja tinha sentido ate ali.

Ainda sim, doia e muito. Por causa da dor quando tentei me levantar fechei um dos olhos e me virei seguindo um instinto primitivo, buscando por meu agressor. Para minha surpresa, ele estava lá, mais uma vez perto demais. Uma dor aguda vinha ao meu estômago, era um chute que recebi dele. Outro golpe que me fazia rodopiar no chão.

Os impactos do chão não eram nada, se comparados a dor que estava sentindo agora no estômago. Um gosto ruim veio a boca, sangue.

-- Cara você vai matar ele assim, deixa o moleque pra lá -- O outro Hyuuga tentava inferir, não por mim é claro, mas pelo medo de alguém descobrir o que estavam fazendo.
-- Eai principal!? É só isso que tem? Café a superioridade da família principal? Hein mestiço? -- Ignorando mais uma vez seu amigo, ele partia contra mim.

Por sobrevivência eu acho, por instinto. Pulei do chão me levantando rápido, dei um passo atrás mas não pude escapar. Nos olhos dele, eu vi. Rancor, ódio, mas muito mais que isso, havia tristeza e dor. As têmporas dele explodiam em pulsações, aquele era o bykugan.

-- Assim voce vai matar ele! -- Gritou o amigo preocupado com a proporção que aquilo estava tomando.

Algumas pessoas, outros Hyuugas secundários começaram a surgir, olhando curiosos. Alguns davam sorrisinhos de satisfação ao me ver naquele estado. Outros, poucos, bem poucos, começavam a se aproximar para controlar a situação antes que piorasse.

Um ultimo golpe, ele dirigiu a mim. Uma palmada no estomago. Forte, mas diferente das outras. Até ali, o que sentia, as dores, eram comuns, ja as havia sentido antes, mas esta foi diferente. Meu estômago ardia. Era como se estivesse queimando de dentro para fora, alguma coisa se remexia dentro de mim, não sei se eram meu órgãos, meus ossos, eu só sabia que aquilo era com toda certeza o punho gentil. Tenho de admitir, esse cara era realmente bom nisso.

Dois outros Hyuugas secundários seguravam o raivoso, contendo-o e o afastando de mim.

Por um instante  tudo ficou preto. A visão ficou turva, a queimação no estomago aumentou e começou a caminhar pelo resto do corpo. Não senti minhas pernas, frequentaram me levanto a uma queda, senti mãos, algum me segurou. Mas quem era? Não sei, nunca vou saber, desacordei antes que pudesse ver quaisquer outras coisas.

...

Abri meus olhos, com uma espécie de cansaço estranho. O teto era branco, o reconheci de imediato, estava em meu quarto, deitado em minha cama. Meu estômago ainda doia, mas agora era suportável. Tentei levantar sem jeito, tossi e me assustei ao ver sangue na mão.

-- Droga! -- Falei alto. Mas aparentemente todos estavam falando alto em casa, nervosos.

O barulho do andar de baixo estava alto, gritos e mais gritos. Meu pai, eu sabia que aqueles gritos eram dele.

Com dificuldade me levantei e andei escorando as paredes ate chegar a porta, dali eu não conseguia ver nada, mas consegui a ouvir melhor.

-- NUNCA MAIS LEVARÁ ELE LÁ! ELR QUASE MORREU HOJE! VOCE TRM NOSSAO DISSO? --
-- Foi um incidente infeliz é verdade, mas tudo esta bem agora, já cuidamos do culpado... você acha que eu também não estou brava e com raiva Usagh? Você não é o unico que ama ele! --


Legenda escreveu:-- Hitsugaya --
-- Hanaki Uchiha/Hyuuga (mãe) --
-- Usagh Uchiha (pai) --


-- Hyuuga aleatório I --
-- Hyuuga aleatório II --

Notas gerais escreveu:- Segunda e ultima parte do "A família Hyuuga"

3[FS 2] Hitsugaya - A Família Hyuuga II Empty Re: [FS 2] Hitsugaya - A Família Hyuuga II em Sex Set 27, 2019 6:30 pm

Um

Um
Staff
Staff
Avaliação

A continuação do 1° filler foi otima. Apesar de ter alguns erros ortográficos, você conseguiu diminuir muito se comparado aos fillers de seus personagens anteriores, parabéns. Gostei de como toda a situação aconteceu, mas gostaria de ter visto um pouco da historia do "Hyuuga aleatório II", nem que fossem por frazes e murmúrios raivosos. Se entendi bem, Hitsugaya neste filler ainda nem é gennin, então faz muito sentido ele mal saber reagir aos ataques, também gostei de ter colocado a imaturidade do personagem a mostra ja que ele ainda é uma criança no filler. Parabéns!

Recompensa Classificado como B, 65 xp, 1.000$ e 4 pontos de jutsu

Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum

MensagensUsuários registradosÉ o novo membro